Páginas e blogs

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O Adorador Adventista e o Senso da Presença de Deus

Em Juízes Cap. 2 o “Anjo do Senhor” (Cristo) se dirige diretamente ao povo pela última vez. Depois Ele falaria apenas com aqueles escolhidos para julgar sobre o povo. As escolhas do povo fizeram com que eles mesmos perdessem algo sobremodo importante: o senso da presença de Deus. Você pode imaginar o que ocorre quando o mesmo acontece conosco?
Depois da morte de Josué Israel concentrava sobre si um alto nível de rebeldia e ingratidão para com o Senhor, adorando outros deuses e fazendo aliança com povos pagãos. Israel era, até então, o único povo diferente na face da Terra pois Deus os havia separado, santificado para uma obra específica. Mas eles queriam ser iguais a todo o resto do mundo!
O tempo foi passando e as gerações subseqüentes não conheciam ao Senhor e conseqüentemente não O adoravam, não mais possuíam propósitos santos em suas ações, costumes e práticas. (Jz. 2:10). Eles foram gradualmente “escolhendo fazer que era mal perante o Senhor” e aos poucos eles foram conseguindo o que queriam. Leia depois atentamente o livro de Juízes e você vai ver que eles de fato se tornaram iguais aos povos pagãos. Faltou-lhes um santo critério para discernir entre o bem e o mal.  O livro de Juízes termina da seguinte forma:
“Naqueles dias não havia rei em Israel; cada um fazia o que parecia bem”.
Certa vez eu encontrei uma pessoa que canta em uma de nossas igrejas, ou seja, que toma parte na adoração, e observei que em seu tornozelo havia um adereço que pode, e é usado por qualquer pessoa no mundo. “Eu acho bonitinho!” – Disse a pessoa.
Em outra situação, num culto, eu ministrava o louvor e depois da ministração, subiram duas distintas jovens senhoras para  cantar. Uma delas usava nas mãos um esmalte de cor vermelha, muito bonito por sinal, mas o pensamento que me ocorreu naquele instante foi: “qualquer mulher ou homem no mundo usaria esse esmalte”. Uma amiga adventista que também gosta de pintar as unhas me disse uma vez:
-“Você acha, Daniel, que Deus está observando o esmalte que eu uso? Onde está escrito isso na Bíblia? Deus vê o coração e isso é o que importa!”(...) -É, parece que a Bílblia de fato não fala sobre esmaltes de unha... Já imaginou se falasse?... Mas deixe-me continuar.
Sábado a noite alguns jovens da igreja costumam ir a um barzinho aconchegante e o barzinho até tem um nome bíblico, (você não vai acreditar), em algum lugar da cidade existe um barzinho que se chama “Babilônia”. -Isso mesmo, “babilônia!”. (Ta amarrado! rsrsr). Para defender a ida a esse bar, uma outra jovem adventista disse:
–Não,... isso não tem “nada a ver, é só um barzinho. Podia ter um outro nome qualquer”. (– Como se o problema fosse só o nome do bar...) 
De fato eu, Daniel D. Salles, apesar de não gostar de ir a lugares onde sirvam bebidas alcoólicas, também acho que não há nada de mais em ir a determinados lugares, ou usar determinadas coisas, tais como um búzio no tornozelo, (eu não usaria, até por saber o significado)... Honestamente, apesar de não ser a favor, também acho bonito o esmalte vermelho nas mãos femininas, quando elas usam inclusive para cantar na Escola Sabatina ou no culto divino,  ou, quem sabe para ir à balada,(...) aliás, tenho uma pergunta: existe hoje alguma diferença entre ir a igreja e ir a um barzinho de nome exótico? Infelizmente tenho de ser franco. Não há diferença já que todas as pessoas normais da cidade, que procuram apenas por entretenimento, diversão e rever amigos, freqüentam igrejas da mesma forma como frequentam barzinhos. A realidade é que ir a uma igreja nunca foi tão comum quanto ir a qualquer outro lugar. Igreja e barzinho, por exemplo, todo mundo tem um(a) predileto(a). Não deveria ser assim! Concorda?
No entanto, para todo e qualquer assunto que levante uma questão polêmica dentro da igreja, encontramos uma solução simples que não está no gosto pessoal e sim na palavra de Deus. A Bíblia não é um livro de receitas e exercícios prontos. A Bíblia não vai falar sobre se é certo usar ou não adereços, esmaltes e jóias; nem tão pouco acharemos uma lista de barzinhos com nome bíblico ou baladas sacras do Sábado à noite que podemos freqüentar. A Bíblia fala de Deus e Seus planos. E ainda, como podemos perder ou ganhar o senso de Sua presença em nossas vidas. A Bíblia me diz que “a casa dividida não pode subsistir” (Mc. 3:25). A Bíblia me fala de alianças feitas por Deus com pessoas iguais a nós. Essas alianças envolviam a escolha, a decisão dessas pessoas. Leia isto:
“Mas se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais, se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do Rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais. Porém eu e minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24:15). 
Sabe o que eu vejo aqui? Ou eu me pareço com Jesus em tudo o que eu faça, vista, use, toque, cheire, coma, beba... ou não me pareço com Ele em nada. Como diz o meu amigo Dr. Renato Stencel, “Deus é radical. É preto no branco!”.
Ao contrario do que muita gente ensina, Deus está presente em todos os lugares sem restrição. O salmista diz:
“Para onde me irei do Teu Espírito? Para onde fugirei da Tua face?” (Sl. 139:7). Não existe lugar onde Deus não esteja e não domine sobre tudo. Isso quer dizer que Deus conhece o barzinho “Babilônia”. E acima de tudo Deus conhece o meu coração e o meu pensamento. É isso mesmo, Deus já me conhece. O que Ele deseja agora é que eu O conheça. Ele quer ser achado por mim em Sua Palavra. Porém aqui mora o problema. Por decisão minha eu escolho não conhecer o Senhor e conseqüentemente perco o senso de Sua presença.
Quando eu perco o senso da presença de Deus, eu até ouço, mas não entendo; eu vejo, mas não percebo, pois o meu coração se torna insensível. (Ver Atos 28:26-28).
Aquele que é onipresente se manifesta em qualquer lugar. Mas sem contato íntimo com Ele acabo por não percebê-Lo!
A Bíblia ensina em Juízes que as escolhas de Israel criaram no povo um ambiente hostil à ação do próprio Deus. Da mesma forma, hoje nossas escolhas podem criar um ambiente propício ou não em nossa mente, para a ação do Eterno. O barzinho pode ser legal, mas lá, a última coisa que eu vou perceber é a presença de Deus. Você compreende isto?
– Ah Daniel, mas e os adereços, e o esmalte?
Ok. Leia:
Quando eu perco o senso da presença de Deus eu perco o critério, o propósito e a adoração.
Com relação ao uso de esmaltes e adereços e etc, o critério é o que determina o que é adequado usar ou não, tendo em vista as normas, a profissão de fé feita por ocasião do batismo, os princípios bíblico-institucionais, ou seja, a Igreja Adventista do Sétimo Dia, baseada nisso, recomenda que seus membros não utilizem esses elementos da moda secular, nem dentro nem fora do templo. Não é por ser errado ou certomas é por que entendemos que somos chamados para sermos diferentes do mundo. Aqui está o segredo! 
“Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores e pertencentes à Salvação...” (Hb. 6:9). Quando insisto em ser igual ao mundo, como o povo de Israel insistiu no período dos Juízes, estou entre outras coisas rejeitando o convite que aceitei, para encaixar-me no perfil descrito em Hebreus 6:4-6:
“É impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus, e os poderes do mundo vindouro, e depois caíram, sejam outra vez renovados para arrependimento, porque de novo estão crucificando para si mesmos o Filho de Deus, e expondo-O ao vitupério”.
O Espírito de Deus, que é a Sua presença em mim, me impressiona através de um santo critério, àquilo que eu devo ou não usar e fazer, etc... Se eu perco o senso da presença de Deus eu perco esse critério!
O Propósito,  é a segunda coisa que vai pelo ralo quando perco o senso da presença de Deus. Ou seja, meus motivos se tornam mais interessantes. –“Ah, eu acho bonitinho...”“Eu não vejo problema”“Eu penso que Deus vê o coração e só isso é o que importa”. – Perceba, Eu, Eu, Eu, Eu e mais Eu!
Ok, deixe-me dizer que “Eu” sou um pecador “miserável,  pobre, cego e nu” e como é que poderei discernir entre o bem e o mal, entre o certo e o errado se nem me lembro do que comi hoje pela manhã?
Quanto mais posso me arriscar a dizer, “eu acho isso”, ou “eu acho aquilo”.
Nós fomos chamados por Deus para fazermos as obras dEle e não as nossas. E se pela obra dEle eu não for capaz de deixar “aquilo que eu acho que é certo” (o barzinho, o esmalte, o adereço...) eu não sou digno de ser “participante do Espírito Santo”. (Hb. 6:4).
Com relação à Adoração, essa é a última coisa que se dissolve quando eu perco o Senso da presença de Deus. Vivemos numa época onde o HOMEM se tornou o centro de tudo. A tecnologia, a mídia, os serviços em geral, todos foram feitos para atender as necessidades imediatas do indivíduo. Hoje não é preciso se levantar pra nada. Basta um click e as coisas aparecem prontas. As redes sociais substituíram as amizades reais, e os computadores escondem os olhares e ocultam a personalidade de muitos. Essas coisas naturalmente chegaram a Igreja e até possuem uma certa utilidade, pois a Igreja é feita de pessoas; o problema é quando deixamos de “servir” para sermos servidos. A maioria das pessoas que defendem o uso pessoal desse ou daquele apetrecho da moda, (ou qualquer elemento de outra área polêmica) é adepta ao uso e fala com base única em seu próprio intelecto e opinião visando a auto-justificação. No entanto essas pessoas se esquecem de que quando usamos jóias e adereços; vamos às baladas e tomamos cerveja; ou vamos ao estádio de futebol, cinema, entre outras coisas... Nós, ao contrário do que o mundo prega, nos tornamos responsáveis também pela salvação ou perdição de outros. Logo eu posso gostar de todas essas coisas, elas podem me parecer lícitas, mas pela salvação do meu irmão eu devo abrir mão delas. Ninguém é uma ilha e aquilo que fazemos traz influência sobre outros.
Observe que isso é adoração ao Senhor; o me envolver com o próximo visando a salvação dele. Adorar a Deus é viver pelas pessoas por quem Ele morreu! Adorar a Deus é servir os seus filhos!
Pense nisto:
Ao usar a minha roupa ou fazer minhas atividades estou servindo a Deus e as pessoas que igualmente a mim são alvos da graça de Cristo?
Dentro do propósito de Salvação para que servem os esmaltes, adereços e jóias? Caso sirvam para a salvação das pessoas, então alguém me dá aqui uma argola gigante, um piercing GG para que eu coloque no meu nariz! -Se é pra salvar, vamos fazer bem feito, pinto até as unhas de preto! (rsrs)
Deus deseja estar presente 24hs por dia em nosso coração. É preciso percebê-lo interessado em nossas escolhas. Quando isto acontecer, restaurar-se-á em nossa vida o senso de Sua presença, os argumentos e polemicas vão cessar, nossas opiniões egoístas darão lugar a uma atmosfera de gratidão e serviço, louvor e adoração!
Maranata e até o próximo post!!






7 comentários:

  1. Dale Dani!!!Antes de td quero dizer q é um prazer tê-lo como amigo, não apenas admiradora de teu talento, membro da tua igreja ou tua corista, mas exercer realmente o dom da amizade!Altos conselhos, preocupação, enfim..
    Após ler o texto acima, e diga-se de passagem um looooongo texto, srsrs.. Algumas questões me veêm a mente, afinal, falar é fácil, o dificil é fazer e exercer continuamente a palavra de Deus em nossas vidas seja num "barzinho" ou na igreja. Levando em conta a realidade atual, onde felizmente ou infelizmente "ser feliz, estar bem" se tornou o objetivo de todo ser humano, seja no trabalho, nos relacionamentos com os amigos, no casamento e porque não dizer na vida espiritual!Pergunto:
    O cristão não pode ter momentos de entretenimento sadio? Só lembrando, além de ambiente social o "barzinho" referido no texto é tbém instrumento para difusão de ideias assim como um polo de encontros e não apenas para oferecer bebidas alcoólicas, já que tbém oferecem bebidas NÃO alcoólicas. Jesus não se assentava a mesa com publicanos e cobradores de impostos? Sentar, estar a mesa com aquele tipo de pessoa era algo muito íntimo e Jesus foi alvo de criticas pelos sacerdotes da época por agir assim, não significa, claro que Jesus era igual a eles, muito pelo contrário, era o Salvador do mundo.
    Ser cristão dentro do ambiente cristão é facil, o dificil é ser cristão fora, e é aí onde temos que mostrar quem realmente somos, seja na igreja, no barzinho, no trânsito, no namoro, no casamento, no trabalho e assim por diante...

    Grande bjo no seu coração, Glau.

    ResponderExcluir
  2. Dani só para conhecer um pouco mais do "barzinho" Babilônia,segue o site:
    http://www.babiloniaonline.com.br/mostraRestaurante.aspx?id=15

    ResponderExcluir
  3. Para salvar os publicanos e pecadores é que Jesus sentou-se para comer e conversar com eles. Jesus agiu de maneira amiga, mas sua intenção era "salvar do pecado e guiar no serviço". Se a sua ida ao barzinho vai se traduzir em salvação para as pessoas que frequentam o lugar junto com vc, ok, continue indo ao bar, possivelmente o mesmo se tornará uma igreja em breve! Mas me responda e seja sincera:
    Tem alguém estudando a Bíblia com vc ou interessado em conhecer o Deus que vc conhece lá no barzinho?
    Quantas idas a este lugar vc ainda precisa para encontrar essa pessoa?
    Todas as pessoas que vão a esse lugar buscam um "entretenimento sadio" assim como vc? As perguntas se multiplicariam Glau... abs!!!

    ResponderExcluir
  4. oi Negão. meu irmão (pr. Clebão) me mandou seu post pra eu ler, não entendi pq... hahaha
    eu concordo totalmente com vc que nós precisamos ser a luz do mundo, e sem ter o senso da presença de Deus e o poder do Espírito Santo nós nunca poderemos cumprir com a nossa missão (salvação nossa e do nosso próximo).
    esses pontos polêmicos que vc colocou são realmente preocupantes, pq uma coisa leva à outra... por observações empíricas, as pessoas que normalmente acham que certa coisa não tem nada a ver, com o tempo vão achando que nada tem a ver, até estarem fora da igreja e longe dos caminhos do Senhor.
    mas no âmbito externo, nós nunca poderemos ser diferentes dos outros... independente da roupa que usarmos, esmalte, acessórios, pq tem gente de todo jeito, com todos os gostos. (venha me visitar e vc verá...)
    mesmo as pessoas que não se interessam por esmalte ou uso de jóias (eu sou contra as jóias verdadeiras), usam acessórios (entenda-se por acessórios, coisas basicamente desnecessárias, como gravatas, cintos, coisinhas pro cabelo, sapatos e bolsas de todas as cores e formatos, etc.) ou vão ao cabelereiro para terem o corte de cabelo da moda ou a cor da estação...
    tem tb os viciados em eletrônicos, esses brinquedinhos caros. e sim, a questão é sempre: "eu gosto", "eu preciso", é útil, é a tradição, etc.
    nossas necessidades físicas são muito básicas: casa, roupa (principalmente no frio), comida e convívio social.
    enfim, devemos sim ser simples como era Jesus e viver para servir sem dar muito valor para as coisas desse mundo. mas estamos no mundo. (as vezes sermos muito diferentes e mal cuidados tb atrapalha...)
    mas o que devemos sempre ter no coração é buscar e adorar a Deus em espírito e em verdade, com sinceridade, reconhecendo (não negando) o que vai no nosso coração e pedindo pra Deus tomar conta. e sobretudo conhecer à Deus ao ponto de amá-Lo de todo nosso coração, de toda nossa alma e com todo o nosso conhecimento. nosso amor é proporcional ao conhecimento que temos...
    muito obrigada pela reflexão. abraço e que Deus continue usando-o no seu ministério.

    ResponderExcluir
  5. oi negão! sou seu fã.

    pensando na questao do servir, imagino uma mulher recem convertida, que veio de um bordel e derrepente ve uma mulher na igreja com apetrechos ou adornos iguais aos que ela via no bordel. como ela vai esquecer da vida de pecado que ela tinha?

    ou um ex-alcoolatra, que lutou muito pra deixar o vicio, e acaba sendo convidado pra acompanhar uma irmao da igreja que esta indo para o barzinho babilonia. (essa é pra rir. rirdiculo).

    gente, o ceu é tao importante que se for preciso perder um olho pra te-lo, eu prefiro ficar cego.
    o ceu com Jesus vale infinitamente, e bota infinitamente muito mais do que uma simples pintura, ou momentos perdidos em um barzinho. vale a sua vida, ou melhor vale a vida de Cristo.

    abraços negão.

    ResponderExcluir
  6. Oi Daniel! Sou de Recife (distrito do Arruda). Obrigada por este post. Ainda não tinha lido. Infelizmente muitas de nossas irmãs pensam assim.. "Ah, mas eu me sinto bem assim" ou "Deus só vê o meu coração".. e as frases se multiplicam. Se somos diferentes, porque agimos como todo mundo? Se sabemos a vontade de Deus porque fazemos o contrário? O que mais me deixa triste é a questão da maquiagem que muitas mulheres usam e acham que já é normal. Se Deus quisesse que nós usássemos maquiagem, Ele nos teria feito assim. A questão do barzinho que você postou, fala sério! Imaginei que era brincadeira!! Devemos evitar a aparência do mal. Beleza, quer se confraternizar num sábado à noite? Por que não vai à uma praça ou a uma pizzaria? Com certeza lá a turma não escuta Arautos do Rei ou até mesmo Leonardo Gonçalves né? Devemos ser DIFERENTES. E para sermos diferentes, devemos deixar a luz de Jesus brilhar em nossa vida. Ao sermos simples, isso não quer dizer que devemos ser descuidados na nossa aparência. Ao termos uma boa higiene e termos o necessário para a vida tá ótimo. Porque o resto deixa com Deus, porque Ele faz.
    Mais uma vez, obg pelo post. Muita gente tá precisando ouvir isso.

    Abraços!
    @nessinha22

    ResponderExcluir